arte: ontem e hoje

VHILS

O artista português Alexandre Farto interage visualmente com o ambiente urbano sob o nome de Vhils desde seus dias como prolífico escritor de graffiti no início dos anos 2000.

A sua inovadora técnica em baixo-relevo foi aclamada como uma das abordagens mais convincentes para a arte criada nas ruas na última década.

Essa forma impressionante de poesia visual, exibida em todo o mundo em ambientes internos e externos, foi descrita como brutal e complexa, mas imbuída de uma simplicidade que fala do núcleo das emoções humanas. Reflexão permanente sobre identidade, sobre a vida nas sociedades urbanas contemporâneas e seus ambientes saturados, explora temas como a luta entre as aspirações do indivíduo e as demandas da vida cotidiana, ou a erosão da singularidade cultural diante do modelo dominante do desenvolvimento globalizado e da realidade cada vez mais uniforme que impõe em todo o mundo. Fala de apagamento, mas também de resistência, de destruição e também de beleza nesse cenário avassalador, explorando as conexões e contrastes, semelhanças e diferenças entre as realidades global e local.

Vhils cresceu no Seixal, um subúrbio industrializado do outro lado do rio, em Lisboa, capital de Portugal, e foi profundamente influenciado pelas transformações provocadas pelo intenso desenvolvimento urbano em que o país passou nas décadas de 1980 e 1990. Ele ficou particularmente inspirado pela maneira como as muralhas da cidade absorvem as mudanças sociais e históricas que ocorrem ao seu redor. Aplicando seus métodos originais de destruição criativa, Vhils escava as camadas superficiais de nossa cultura material como um arqueólogo urbano contemporâneo, expondo o que está além da superficialidade das coisas, tornando visível o significado e a beleza invisíveis e restauradores às dimensões descartadas enterradas abaixo.

Desde 2005, ele apresenta seu trabalho em mais de 30 países em todo o mundo, em exposições individuais e coletivas, intervenções artísticas específicas do local, eventos e projetos artísticos em vários contextos - desde o trabalho com comunidades nas favelas do Rio de Janeiro até colaborações com instituições de arte de renome, como a Fundação EDP (Lisboa), o Centre Pompidou (Paris), o Barbican Center (Londres), o CAFA Art Museum (Pequim) ou o Museu de Arte Contemporânea de San Diego (San Diego), entre outros. Um experimentalista ávido, Vhils tem desenvolvido sua estética pessoal em uma variedade de mídias, além de sua técnica de escultura: da pintura em estêncil à gravura em metal, de explosões pirotécnicas e vídeos a instalações esculturais.