A ARTE da roma antiga PELO MUNDO

PO.RO.S - Museu Portugal Romano 

Condeixa-a-Nova, PORTUGAL

Há cerca de 2.000 anos os romanos chegaram às Terras de Sicó. No limite do Império, Conímbriga tornou-se num centro verdadeiramente romanizado.
O PO.RO.S - Museu Portugal Romano em Sicó é uma viagem à presença romana nas Terras de Sicó, que dá a conhecer o encontro de culturas que moldou a história do território.
A tecnologia estimula os sentidos e dá à exposição um caráter vivo e dinâmico, capaz de aliar conhecimento e entretenimento e, com isso, contribuir para a salvaguarda e divulgação da memória histórica da romanização.
O PO.RO.S é um espaço atrativo e inovador, que nos leva numa aventura pela memória da romanização e do legado que perdura até hoje.

musee_national_romain2.jpg

Museu Nacional Romano

Roma, ITALIA
 

O Museu Nacional Romano é um conjunto de museus em Roma, composto por quatro sedes divididas em várias partes da cidade. Foi fundado em 1889 e abriu um ano depois durante a União da Itália com o objetivo de reunir antiguidades do século V aC. Até o século III dC.
As coleções arqueológicas do Museu Kircherian deram início ao acervo que formou este museu ao qual foram acrescentadas as inúmeras descobertas feitas em Roma durante o planeamento da cidade, uma vez que se tornou a capital do novo Reino da Itália. Em 1901, o Estado italiano concedeu a Coleção Ludovisi ao Museu Nacional Romano, bem como a importante coleção nacional de escultura antiga. O museu foi fundado no claustro construído por Michelangelo no século XVI que fazia parte das Termas de Diocleziano e que ainda hoje é sua sede principal.
A adaptação dos edifícios com um novo propósito começou para a exposição de 1911 e terminou em 1930. Em 1990, uma total transformção foi realizada dividindo as coleções em quatro sedes diferentes, as Termas de Diocleziano, a Cripta Balbi, o Palácio Massimo e o Palácio de Altemps.

napoles1.jpg

Museu Arqueológico Nacional de Nápoles

Nápoles, ITALIA

O Museu Arqueológico Nacional é um museu de Nápoles que abriga uma extensa coleção de arte da Antiguidade. É o sucessor do antigo Museu Real Bourbon, um dos mais antigos e importantes da Europa.
Composta basicamente de duas coleções privadas, Borgia (século XVIII) e Picchianti (século XIX), e inclui peças autênticas e muitos artefatos pseudo-egípcios provenientes de Pompeia e de outras cidades da Campânia.
O museu possui uma extensa e preciosa coleção de moedas e medalhas, em sua maior parte integrantes da Coleção Farnese, com cerca de duzentos mil itens, que vão desde as mais antigas cunhagens da Grécia até o fim do Império Romano
.Embora com reduzido número de exemplares, removidos de casas daquela cidade, é de grande importância por apresentar um rico panorama da pintura decorativa romana dentre os séculos II a.C. e I d.C., a qual é sucessora direta da pintura grega, hoje praticamente toda desaparecida. As peças mostram temas mitológicos, literários, naturezas-mortas, paisagens, retratos e cenas da vida diária e das cerimônias religiosas relativas aos lares e penates, além de alguns exemplares com motivos arquiteturais. A seção de mosiacos é formada por fragmentos de decoração de pisos e paredes de Herculano, Pompeia e Estábia, com emblemas, cenas e figuras de inspiração grega. São importantes as cenas de autoria de Dioscórides de Samos e os mosaicos da "Casa do Fauno" de Pompeia, com uma famosa cena da Batalha de Isso, entre Alexandre Magno e as tropas de Dario III, além de itens na rara técnica de opus sectilium, uma composição com mármores de várias cores.

merida3.jpg

MUSEU NACIONAL DE ARTE ROMANA DE MÉRIDA

Mérida, ESPANHA

O Museu Nacional de Arte Romana é uma instituição muito antiga. Com mais de 175 anos, remonta a uma pequena coleção de caráter local que, devido à sua importância, cresceu até chegar ao status nacional conseguindo ficar num novo prédio para exibir, com dignidade as suas coleções. O seu conteúdo e atividades giram em torno do período romano, que é o foco da exposição permanente montada na sua sede principal.
Tanto a pintura quanto o mosaico do período romano que conservam na cidade de Mérida consistem em ornamentos da arquitetura.
Em relação à pintura tem uma exceção notável na cidade, como a sala, com cenas de desporto e caça, encontrada na rua Suárez Somonte e exibida na sala do museu. Outros exemplos notáveis ​​são exibidos no local na Cripta da sede.
Quanto ao mosaico, principalmente no solo, Mérida guarda uma das principais coleções da Península Ibérica. Alguns dos seus exemplares mais destacados estão expostos nas paredes do Museu, merecendo uma menção especial por sua qualidade artística, o cenário encontrado numa casa de campo perto da cidade: conhecida como Villa de las Tiendas.

famalicão romana

fama3.jpg

Estação Romana de Perrelos

Localizado no sopé do monte de S. Miguel, tem vindo a ser alvo de escavações desde 1997. Neste local foram descobertas estruturas habitacionais e um edifício com hipocausto que terá servido como termas. Esta estrutura encontra-se ao nível dos alicerces, que sobreviveram graças ao facto de terem sido construídos numa depressão do afloramento granítico, uma vez que, ao longo dos tempos, o terreno foi aplanado e a maior parte dos materiais saqueados e utilizados para a construção de muros.

Marco Miliário da Devesa

O "Marco Miliário da Devesa" é uma coluna cilíndrica, em granito, com 175cm de altura e 60cm de diâmetro, que serviu, na época romana, para marcar a distância entre cidades, ao longo das vias. Para além da distância em milhas (mil passos), entre a cidade de origem e a de chegada. Embora deslocado do seu lugar original, sabe-se que o marco miliário da Devesa pertencia à via que ligava a cidade romana de Olisippo (Lisboa) a Bracara Augusta (Braga).

Bronze de Constâncio, cunhado em Antioquia.

Busto à direita com diadema de pérolas e roseta terminal, couraça e paludamento.

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
889186_edited.png

Rua Dr. Francisco Alves 1058 ,  4770-435  Requião ,  Vila Nova de Famalicão , Portugal     |    geral@acasaaolado.com    |    252 115 448 -  934 841 129